Loading...
e.leclerc.pt
A BATALHA DOS COMBUSTÍVEIS: PARA A LIBERDADE DE CIRCULAR

7.5%*, é a quota-parte do combustível no orçamento familiar em 2009… No entanto é um encargo que muitas vezes não é possível diminuir, as deslocações são hoje uma obrigação para a maioria das famílias. É por conseguinte essencial propor um combustível com o preço mais baixo possível. Vai no sentido do combate da insígnia E. Leclerc.

Um monopólio cai, os preços baixam

Enquanto a distribuição de combustível era um monopólio entregue pelo Estado às companhias petrolíferas, os preços dos combustíveis eram sobrevalorizados. Sem livre concorrência, nem livre escolha do consumidor para reajustar os preços. O E. Leclerc levou 15 anos, enfrentou 467 processos, o assunto foi chegou ao Tribunal Europeu de Justiça antes de poder distribuir combustível a preço E. Leclerc. Porquê parar quando se está no bom caminho? Cinco anos mais tarde, após outras lutas difíceis, a insígnia abre a sua primeira estação de serviços na auto-estrada. Hoje contam-se 9. Porque é também na estrada das férias que os Franceses precisam dos preços baixos.

Distribuidor de qualidade

“O combustível destinado à insígnia partilham os mesmos depósitos que aquele das companhias petrolíferas”

Boa prova de confiança por parte do consumidor, em 2009, o E. Leclerc forneceu 160 milhões de depósitos atestados (base média: 30 litros). A aventura começa em 1979 com a criação da SIPLEC, a Sociedade de Importação do E. Leclerc. Hoje, a insígnia abastece-se junto de 43 depósitos instalados um pouco por todo o lado em França. O combustível destinado à insígnia partilha os mesmos depósitos que aquele das companhias petrolíferas. É o mesmo para toda a gente. É no momento do carregamento nos camiões cisterna que o combustível recebe aditivos específicos a cada operador. O E. Leclerc incorpora o aditivo D306 que melhora a qualidade e o desempenho do gasóleo em termos de protecção dos injectores, anti-espuma, anti-corrosão ou ainda de estabilidade. A insígnia tornou-se um actor maior da distribuição petrolífera. Do fornecimento até ao reservatório do automobilista, os seus controlos de qualidade vão para além dos certificados de conformidade e de análise transmitidos pelos seus fornecedores. Além dos controlos contratuais, o E. Leclerc realiza todos os anos 3000 controlos qualidade bimensais por laboratórios independentes nos 43 depósitos que o fornecem.

Challenger o “gasopólio” francês

Com quatro operadores históricos controlando 97% do mercado, os consumidores sofriam uma situação de oligopólio onde a concorrência estava pouco presente. Uma situação realmente inaceitável dado que o gás é um bem de primeira necessidade…

Após esta constatação, o E. Leclerc lançou em 2005 a oferta Clairgaz, uma oferta incluindo butano em botijas de 13 e 6 quilos assim como propano em botija de 11 quilos. O Leclerc propõe assim uma oferta de qualidade a preços inferiores de 15 a 25% mais baratos que os operadores tradicionais. A tara recuperável é de 5 euros. Com este novo conceito, o E. Leclerc continua na mesma linha do seu combate histórico: sacudir os monopólios para defender o poder de compra dos consumidores.

Com quatro operadores históricos controlando 97% do mercado, os consumidores sofriam uma situação de oligopólio onde a concorrência estava pouco presente. Uma situação realmente inaceitável dado que o gás é um bem de primeira necessidade…

5 anos mais tarde, são mais de 700 000 clientes que depositam hoje a sua confiança na Claigaz.


* Estudo do comissário geral do desenvolvimento sustentável, Estudo e Documentos nº8
** Fonte E. Leclerc.
editorial
Os combates de acessibilidade
Há 60 anos que o E. Leclerc prossegue um objectivo: democratizar o consumo e permitir que mais pessoas tenham acesso a todos os produtos e serviços. A acessibilidade é principalmente uma questão de preço. Os preços devem permanecer o mais barato possível, independentemente do produto.

Para o E. Leclerc, acessibilidade, é também uma questão de proximidade e de informação. É propôr novos mercados, como cuidados pessoais, jóias ou cultura. A marca teve que combater, lutar contra as leis ultrapassadas, quebrar monopólios e desenvolver novas competencias.
Ao usar este website, está a aceitar a utilização de cookies para análise, conteúdo personalizado e apresentação de anúncios.